A cidade vimaranense ganha 5 empresas por semana

Por cada duas empresas que fecham, abrem três. A liderar estão os setores de comércio e imobiliárias.

Até setembro deste ano, o Concelho de Guimarães ganhou 189 empresas, uma média de cinco por semana. De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), foram criadas 427 empresas e 238 fecharam.

Uma análise aos números do INE permite perceber que o comércio e as atividades imobiliarias são os setores de atividade que têm melhor saldo positivo, com 35 empresas ganhas nos primeiros noves meses do ano. No caso do comércio foram criadas 106 e dissolvidas 71.

Na vila de Caldas das Taipas está uma das empresas de comércio que abriram este ano. A “Un Coccinella” nasceu nas redes sociais por intermédio de Paula Carvalho. Vende vestuário e acessórios, agora no comércio de rua, porém o sucesso no Instagram e Facebook continua.

É uma das lojas que contribuíram para o saldo positivo. O vereador da Divisão do Desenvolvimento Económico da Câmara, Ricardo Costa, justifica os números com a atitude de proximidade que a Autarquia tem junto dos empresário. Este apoio consiste num espírito de constantes incentivos, em paralelo com a resolução dos problemas.

A rede nacional “Espaço Empresa”, lançada pelo Governo em abril e que também tem um espaço na Plataforma das Artes, parece ter sido uma grande ajuda. Desde a abertura do local de atendimento aos empresários, em abril, o número de dissoluções de entidades coletivas nunca mais ultrapassou as duas centenas. A primeira empresa a ser criada neste espaço foi a Subtl, de Nuno Sousa e César Cardoso. Está sediada no Avepark, Barco, mas a sua influência ultrapassa muito as fronteiras nacionais. O objetivo da Subtl é o desenvolvimento de software para empresas tecnológicas.